Tag Archives: Buenos Aires

Vídeo: Até a próxima, Argentina!

30 nov

E aqui chegamos ao fim das nossas postagens na Argentina. Difícil nos despedir de um lugar que nos acolheu tão bem, onde nos sentimos parte da família e tivemos um lugar que chamávamos de casa. Difícil dizer “tchau”, então obrigado e  “hasta luego”!

Argentina 1 x 0 Nosotros

16 nov

Algumas histórias precisam ser contadas, e esta pedia um parêntese no meio das nossas publicações. Existem coincidências que só acontecem quando Júpiter está alinhado com Saturno, foi o caso quando nos deparamos com uma visão.

Não é possível! Se já não bastasse a família que nos recebeu como parentes distantes e o sorvete de doce de leite do Freddo, tínhamos que estar justamente no mesmo dia, na mesma cidade onde ia acontecer esse encontro!

Depois disso, não dava pra pensar ou falar sobre outra coisa. Que Palermo o quê…

Cruzamos um bom trecho da cidade atrás dos ingressos. “Não tem fila? Mais sorte!”

A temperatura caiu muito quando anoiteceu e estávamos um tanto quanto inadequados para o clima. Mas não dava tempo de voltar em casa.

Corta cena, hora de ir para o show! Também não tinha fila, mas talvez porque estávamos tão ansiosos que entramos muito cedo. A roleta não aceitou imediatamente os nossos ingressos, mas o simpático funcionário do Luna Park nos deixou passar mesmo assim. “Como os portenhos são buena onda!” E quando achávamos que não existia nada mais perfeito que um dia em Buenos Aires…

Victor, sempre empolgado e otimista, pensou “oba! Ainda vamos ver um jogo antes”, mas desconfiei que tinha alguma coisa errada. “Não é possível, entramos pelo portão errado”, reclamamos no estádio. Estávamos prontos para discutir até alguém trazer Omara e Buena Vista de jatinho, empunhamos os ingressos para esfregar na cara dos seguranças quando vimos: 25 de OUTUBRO. E aquele dia era 25 de agosto… Como eu disse, tem coisas que só acontecem quando Júpiter está alinhado com Saturno e acho que cegueira coletiva é uma delas. Depois de ler “Omara Portuondo”, “Buena Vista Social Club” e “dia 25″, não enxergamos mais nada.

Ingressos rasgados e problema mental diagnosticado, tentamos aproveitar alguma coisa. Bom, pelo menos o Victor tentou. Já eu, nem conseguia ver o jogo de tanta brasa nos olhos.

E aqui está a prova do crime e o atestado de insanidade.

Não tentem fazer isso em casa!

Vídeo: Modex

1 nov

Depois de voltar de Mar del Plata para o TRImarchi, encontramos nossos últimos personagens de Buenos Aires. Foram os primeiros músicos do projeto entre muitos que virão (assim esperamos).

Nos vemos em Mendoza!

Perfil: Modex

28 out

A cada artista que visitamos, aumentamos a nossa rede de contatos através dos próprios entrevistados. Acreditamos que seja uma boa maneira de chegar aos próximos criativos e mostrar como a arte latino-americana já está conectada.

Pois quando gravamos o vídeo com o quadrinista Berliac, ele nos apresentou à banda Modex.

Gaby, Juan, Martin V. e Chamo

As músicas são, como eles mesmos dizem, universais. Difícil distinguir se é uma banda Argentina ou de qualquer outra parte. Talvez por isso eles viajem tanto para tocar em vários lugares pelo mundo, dentro e fora da América Latina.

No estúdio, discos, CDs e boas referências por todos os lados.

Apesar do som muito moderno parecer eletrônico, a banda faz questão de produzir o mais analógico possível.

Nos afastamos um pouco do Centro para encontrar Gaby, Juan, intrumentos e equipamentos que tiram o sossego da tranquila Vicente López.

E enquanto preparamos o vídeo, conheçam melhor a trilha.

Vídeo: Juan Molinet

7 out

É preciso manter-se criança para continuar inventando tantos seres imaginários depois de adulto. É com essa criatividade, e talvez inocência, que Juan encanta tanto com o seu trabalho, como um menino que tem uma imaginação que o faz voar durante o dia e o assombra à noite. Talvez uma grande humildade também o faça desconhecer que seu trabalho é do tamanho dos monstros gigantes que marcaram sua infância. São muitas suposições porque é difícil ter alguma certeza de uma cabeça tão fértil.

Mas é certo que o trabalho de Juan Molinet é sério. E diverte!